sábado, 30 de maio de 2009

O Amor


A minha priminha casou-se e estou feliz por ela.
O Paulo (o recém-marido) é um fixe e fiquei contente com esta união.
Gostei que ambos se tivessem casado mas não gostei do casamento, porque não gosto de casamentos.
Sinto uma repulsa tão grande em relação aos casamentos que aos trinta e um anos ainda me encontro solteiro.
E por falar em solteiro, venho hoje, por intermédio deste post falar-vos de amor. Ou do meu ponto de vista do verdadeiro significado desta reacção psico-química humana, a que foi atribuído o nome científico de amor.
Falo por mim e não descarto opiniões divergentes á minha, mas o amor não é mais do que o sentimento mais egoísta da Humanidade.
"Gosto muito de ti, desde que correspondas aos meus caprichos e exigências."
É mais ou menos neste sentido que vejo o amor.
O casamento existe porque é complicado fazer, construir, organizar uma vida singular.
As despesas, as lidas de casa, a opinião pública, e muitos outros factores, empurram o Ser Humano para uma união protegida com testemunhas oculares e oficiais. Uma espécie de direitos de autor.
"Eu é que sei se gosto ou não de ti e se quero ou não fazer uma vida contigo" mas este sentimento só é validado no meio de familiares, amigos, roupas de domingo, fotografias, entradas, sopas, dois ou três pratos principais, buffet, champanhe, bolo de noivado e finalmente a embriaguês que ajuda todos os presentes a acreditar que a noiva está linda e que tudo vai correr bem, como se o divórcio, os maus tratos, violência doméstica e os filhos que se metem na droga só acontecesse aos outros.
Julgo ter perdido a capacidade de amar por volta dos meus vinte e quatro anos.
Foi como se tivesse sofrido um acidente e tivesse sido sujeito á amputação desse sentimento para minha sobrevivência.
Talvez o meu problema seja gostar de mulheres em geral e não de uma mulher em particular.
Apesar de ter começado este post demonstrando a minha felicidade em relação ao casamento da minha prima, quero deixar-lhe um recado muito importante:
Prima, se me estiveres a ler, espero que seja a primeira e última vez que te cases, ou se o voltares a fazer, por favor não me convides.
Porque para além de abominar casamentos, este foi particularmente desconfortável e incomodativo, dado que praticamente desde o início do casamento até quase ao final deste, me deparei com perguntas da C.C(Comunidade Cota) que lá se encontrava, do tipo: "então o próximo és tu?" ou "então e tu já casaste?", ou "Aqui o meu sobrinho é o próximo" ou até mesmo "então mas ainda não te casaste? está tudo bem? passa-se alguma coisa?".
C.C (Comunidade Cota), não, eu não sou gay, não sou psicopata (acho eu) e lamento que não compreendam que existem diferentes e variados pontos de vista em relação a uma vida a dois.
P.S: beijinhos para ti, priminha, e não te esqueças de me trazer qualquer coisa de N.Y.
P.S:2 Lembrei-me agora de uma maneira de me fazerem gostar de casamentos, ou pelo menos, não os abominar:
Já que já se pode preencher o IRS pela internet, porque não fazer o mesmo com os casamentos?
"Você e a sua namorada amam-se e tencionam casar? O amor, fidelidade e apoio na saúde e na doença, nos bons e nos maus momentos, tudo num só clique!"
Fica aqui a sugestão.

Retorno ás origens

Autoritarismo

Em conversa com um amigo, o mesmo deixa escapar um medo que o acaba de assombrar. Numa ida ao wc e após a concretização da uma necessidade fisiológica verifica que, do seu anûs, cai um fio de sangue. Não lhe doí nada, encontra-se bem mas o sangue assustou-o. Pode ser muita coisa e explico-lhe as possíveis cenas associadas, força no músculo, hemorróidas...Hemorróidas? Grita em tom de interrogação e ouço um suspiro acompanhado de um choro a querer brotar.
"Estás a chorar por causa de uma hemorróida?"
"Não, meu capitão!"
"Eu sangro todos os meses da minha vagina e não choro!"
"Contra factos não há argumentos".

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Óptica deturpada

Não me sntio em codnõçies de esvrecer o que qeur que sjea.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

The Blue Sê

Isto deveria ser a segunda parte do post "Sabia que....".
Mas como não me soou bem o título de "Sabia que...(II)", acabei por fazer a segunda parte do "Sabia que..." , mas com outro título.

Sabia que cerca de 47% (isto a olho nú) dos utentes de casas de banho públicas, após o cumprimento das suas tarefas fisiológicas, abandonam o espaço sem lavar as mãos?
Eu presencio isso diariamente.
Nos incluídos da percentagem equivalente a 47, encontro maioritariamente indianos e engravatados.
E depois dizem que a gripe é dos suínos...
Claro! É só gente porca...

terça-feira, 26 de maio de 2009

1º Aniversário


Celebra-se hoje o primeiro aniversário do Conspiração com Inspiração.
Como tal, quero desejar um grande muito obrigado a toda a gente no mundo que ainda não visitou o nosso blog.
Como também não posso deixar de pedir um grande pedido de muitas desculpas a toda a gente que já o fez...
E para concluir, desejo do fundo do coração um grande "shame on you" a todos aqueles que já nos visitaram e continuam a visitar.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Tao Te Ching

Tao é aquilo que não tem nome e está para além de qualquer espécie de nome. Diz que os nomes não são necessários para aquilo que é real e para aquilo que é eterno. Diz que se estivermos livres do desejo, podemos aperceber-nos do mistério, que se formos apanhados no desejo, só nos apercebemos de manifestações. Diz que mistério e manifestações provêm da mesma fonte, que é a escuridão. Diz que a escuridão dentro da escuridão é a chave para toda a compreensão.
Se há beleza, há fealdade. Se há bem, há mal. Ser e não ser e difícil e fácil e alto e baixo e comprido e curto e antes e depois precisam, dependem, criam e definem-se um ao outro. Aqueles que vivem com o Tao agem sem fazer e ensinam sem dizer. Deixam as coisas vir e deixam as coisas ir e vivem sem posses e vivem sem expectativa. Não precisam, não dependem, não criam nem definem. Não veêm beleza nem fealdade, nem bem nem mal. São apenas. São simplesmente.
Sobrestima o homem e as pessoas tornam-se impotentes. Sobrevaloriza as posses e as pessoas começam a roubar. Esvazia a tua mente e preenche o teu âmago. Enfraquece a tua ambição e fortalece a tua resolução. Perde tudo o que sabes e tudo o que desejas e ignora aqueles que dizem que sabem. Pratica o não querer, não desejar, não julgar, não fazer, não lutar, não saber. Pratica ser apenas. E tudo se encaixará no devido lugar.
Um eterno vazio está repleto de infinitas possibilidades. Não está lá, mas sempre lá. É mais velho e mais poderoso que qualquer força.
Fecho o livro e deixo os sons do clarinete levar-me, levar-me, levar-me.
Vive e deixa viver.
Não julgues.
Aceita-a como ela vem.
Lida com isso.
Tudo ficará bem.

sábado, 23 de maio de 2009

Sabia que...

Num restaurante, supermercado, loja de roupa, loja de telemóveis e todo o tipo de comércio...
-Cerca de 3 em cada 10 clientes portugueses dizem bom dia/tarde/noite?
-Cerca de 4 em cada 10 clientes portugueses diz se faz favor?
-Cerca de 3 em cada 10 clientes portugueses diz obrigado?
-Cerca de 5 em cada 10 clientes portugueses atira o dinheiro para o caixa, ignorando por completo que é um acto de falta de educação?
-Cerca de 65% dos portugueses sofre de falta de educação e ignora esse facto?
-Cerca de 85% dos portugueses acusam o governo de ser arrogante, ignorando que também eles padecem de arrogância compulsiva?

Que tal um pouco de respeito e boa educação para com o próximo?
Um bocadinho de vergonha na cara era capaz de vos fazer bem...

Sabia que, em minha opinião, considero mais grave não ter educação ou respeito do que não ter uma perna ou um braço?
Mas isso sou eu...portanto talvez o mal seja meu.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Boas Notícias!


Estava aqui nas minhas introspecções, e pus-me a pensar em arranjar maneira de fazer não sei o quê.
Não sei.
Nem sei o que fazer nem sei o que escrever.

Estou para aqui...a ouvir música, a fumar um cigarro, tudo isto na companhia da minha super bock, em frente ao computador e...nada!
Absolutamente nada.
Tirando a boa notícia de que já me passou a dôr de dentes.
Mas como não vos cheguei a dizer que estava com dôr de dentes, então deixa de ser uma boa notícia.
Que também não é má.
Acho que nem chega a ser notícia.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Isto não é um post racista!

Mas já reparei que tanto os brasileiros como os africanos têm um sentido nato de oportunidade para escolherem bons sítios para tirar fotografias.
Ao que tudo leva a crer, o que realmente interessa é a pessoa que consta na fotografia e não propriamente a paisagem que a abrange.
De maneira que já presenciei várias sessões fotográficas á porta do hipermercado, como também já quase apareci numa fotografia tirada no piso (-1) de um centro comercial, ou seja, nas garagens.
O interior das carruagens do metro também já se afirmou como um "spot" preferencial e recomendável.
Toda e qualquer árvore, mesmo que seja um pequeno arbusto, também é um bom alvo para as suas objectivas.
E há as poses...
Acho uma enorme piada áquelas poses desarticuladas, juntamente com uma expressão facial que insinua algo do género "tira lá essa porra dessa foto qui todo o mundo tá olhando pá nóis".

Para não existirem más interpretações do conteúdo deste texto, quero em forma de boa acção, aconselhar a toda a gente que tira este tipo de fotografias neste tipo de locais, que as casa de banho do centro comercial em que trabalho, depois de remodeladas, ficaram muito modernas e podem vir assim a proporcionar igualmente uma boa qualidade de imagem na fotografia.
Como que de um futurismo mesclado com higiene, ou apenas necessidades fisiológicas do século XXI.
Tipo "o xixi do ano" ou "o meu primeiro cocó num centro comercial" ou até mesmo "lavei as mãos sem precisar de abrir a torneira".
Menciono isto porque acho deveras importante atribuir títulos ás fotografias, explicitando de uma forma mais directa e incisiva o verdadeiro conteúdo da imagem.

domingo, 17 de maio de 2009

E a mulher pergunta ao marido

Então foste promovido a Comandante(,)Mor?

Directo ao assunto

Recordes do Guinness


Muito raramente folgo aos sábados, mas ontem lá folguei.
E aproveitei o dia, para me portar como um bom menino e dedicar-me ao descanso. Físico e psicológico.
Dado o enorme desgaste de ambos a que estou sujeito no trabalho.
Já mais para o fim do dia, vi o festival eurovisão da canção, mas só a parte final em que os países dão pontos uns aos outros, que é a única parte que me interessa.
Depois disso deu os recordes do guinness.
Eu lembro-me de quando era puto, sentia-me fascinado pelos recordes do guinness. Via sempre o programa com enorme satisfação e sonhava ter o livro dos recordes.
Mas ontem fiquei revoltado com o tipo de recordes que ali eram apresentados.
Eu a pensar que este blog era estúpido mas o programa conseguiu ser pior.
Recordes como: um puto de alguns 12 anos deitado numa redoma de vidro cheio de aranhas em cima dele durante 30 segundos. Uau! Basta não se ser aracnofóbico e até podia lá ficar até á puberdade; um homem (este então chocou-me...)a partir nozes com a pélvis!!!
COM A PÉLVIS PORQUÊ?!?
PORQUÊ!!!!!
Eu não quero sequer imaginar quantas nozes já lhe devem ter entrado p'lo cú adentro durante os treinos, e olhem que entre as nozes e um furúnculo, acho que prefiro mesmo a segunda hipótese. Fala a voz da experiência (no que diz respeito aos furúnculos). E depois ainda veio dizer, cheio de orgulho, em frente á televisão, que o filho já lhe segue os passos, pensando que é essa a forma natural de quebrar nozes.
Presenciei ainda no mesmo programa um homem com os seus 40 e tal anos (idade para ter juízo) a partir um porradão de ovos com os dedos dos pés.
Ovos esses que de certeza não tiveram qualquer aproveitamento posterior ao suposto recorde mundial.
E a fome que existe no mundo...
Que tal inventarem recordes dignos desse nome? Algo que pudesse vir a ser útil para a humanidade...
Algo me prendia á televisão e desta feita vi dois homens dentro de um tanque, num kaiaque a verem que dava o maior número de cambalhotas em 30 segundos..
Há drogas que fazem o mesmo efeito ao cérebro e dão menos trabalho...
E, claro, o nosso Portugal também marcou presença com a construção da maior sela do mundo, com 3 metros e tal e não sei com quantos kilos.
Epá não existem cavalossauros!
E mesmo que existissem, mesmo que fossem de uma enorme envergadura, também não existem humanossauros que os montassem.
De qualquer das maneiras, depois de tudo isto, estou a pensar em participar nesse mesmo livro do guinness.
Vou tentar aguentar 85 gramas de borras de café em cima da mesa da cozinha durante 7, 35 segundos.
Depois do que vi ontem, Guinness, nem a cerveja...

sábado, 16 de maio de 2009

Conspirações à parte (II)

Curiosidades

Quando os americanos realizaram a sua primeira viagem ao espaço, foram confrontados com uma pequena adversidade. Tendo como um dos principais objectivos a recolha de todo o tipo de informação, foram munidos de blocos de notas e esferográficas, mas, devido á falta de gravidade, as esferográficas não escreviam.
No regresso, pessoal da Nasa e Companhia, procederam a inúmeros testes experimentais, tendo gasto alguns milhares de dólares para conceberem uma esferográfica anti-gravitacional se assim se pode chamar.
Resumidamente, uma caneta que escrevesse no espaço.
E, sucesso! Lá conseguiram.
Os russos, por sua vez, levaram lápis.

Nervoso, miudinho?

Promoção!!!


Aqui à tempos, lá para os lados de não sei bem onde, fui com um amigo meu fazer não me lembro o quê.
Até me lembro, mas não é relevante para o conteúdo do post.
E eis que o meu amigo repara num vidro de uma churrasqueira que continha um anúncio escrito á mão, numa folha de formato A4, que mencionava a seguinte promoção:
"Na compra de 6 frangos assados oferecemos outro"...


Mas quem é que compra seis frangos assados de uma vez?!
E quem é que come sete?!
Bem...escusado será dizer que ponderei de imediato, caso venha a casar, em fazer o copo de água naquela churrasqueira.
Epá, no poupar é que está o ganho...
Mas isto preocupa-me.
Porque pode chegar o dia em que eu passe pelo talho e leia no vidro: "Na compra de 1 Kg de pá de porco, oferecemos uma vassoura"

Primark (acho que é isto)

Já fui matar a sórdida curiosidade do novo centro comercial grande como o raio e que fica situado no meio de bairros problemáticos.
Lamento que a sociedade ainda não se tenha apercebido que os centros comerciais são todos iguais por dentro, tirando um ou outro pormenor. E não estamos propriamente dispostos a visitar um centro comercial por fora para poder vislumbrar as suas diferenças.
Como este parágrafo foi estúpido, vou já directo ao assunto...
Aquando do meu cansativo passeio pelos corredores do "Dolce Vita", deparei-me diante uma loja de seu nome "Primark" ou algo do género.
Uma loja de roupas e variados acessórios como chinelos, óculos escuros, e coisas.
Tipo as lojas dos chineses mas dentro de um centro comercial. Assim, as pessoas de "bem" já podem comprar bugigangas e roupas baratas preservando a sua "chiquice".
Fiquei quase boquiaberto quando comecei a reparar nas etiquetas que continham os preços dos respectivos items...
Vestidos de senhora a 4 euros, camisolas a 1 euro e meio, cheguei a encontrar pares de meias que conseguiam ser mais caros que algumas calças e ainda assim eram baratos.
E não é que á porta estava um segurança?!
Um segurança?!?!?
Está bem que aquilo é uma zona problemática mas quem é que vai roubar o que quer que seja ao preço da chuva?
Na pior das hipóteses estou a imaginar os ciganos irem lá comprar roupas em quantidades industriais, regatear o preço com o caixa, alegando que vão comprar muita coisas e merecem um descontinho, e depois venderem essas mesmas peças de roupa e acessórios ao triplo do preço na feira do relógio.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Desta água não beberei (II)


Ficou comprovado, mediante uma séria pesquisa científica, que se beberes mais de um litro de água por dia, durante um ano, no final do ano terás ingerido mais de um quilograma de coliformes fecais que estão diluídos na água, ou seja: UM QUILO DE MERDA !!!
Já bebendo VINHO....não se corre esse risco, uma vez que esses coliformes não sobrevivem ao processo de fermentação.
Quem tiver consciência disso vai chegar à conclusão de que é melhor beber vinho e dizer umas merdas, do que beber umas merdas e não ter nada para dizer.

Ódios para que te quero!

É verdade. Eu também tenho uns quantos ódios de estimação, aqueles que me deixam a ferver e que me irritam ao ponto de me fazerem cócegas no céu da boca.
Vejamos a seguinte situação, plausível para todos nós.
Estamos a fazer qualquer coisa e nessa altura toca o telemóvel. Como estão ocupados ao ponto de não puderem atender a dita chamada, rejeitam-na. A essa atitude está associado que, mais tarde, quando vos for possível, entrarão em contacto com essa mesma pessoa. Mas e quando a pessoa é persistente e insiste? E vocês continuam desenfreadamente a rejeitar a chamada? E a pessoa continua a insistir?

Ontem estava eu no meu duche quando o telemóvel toca. Vejo quem é e rejeito. Meto novamente a cabeça debaixo de água e lá começa a música da chamada...Rejeito repetidamente. Volto ao processo inicial. Volta a música a tocar. Suspiro um "foda-se" e rejeito mais uma vez. E mais uma vez o toque da chamada. Nisto, já cansada atendo de uma forma muito pouco simpática e grito "Estou a tomar banho!". Do outro lado a mamã grita "não te vejo!".
"Qual é a parte do estou a tomar banho e como tal não vou atender a chamada de vídeo que tanto insistes em fazer, que tu não entendes?"
Desligo o telefone e já o WC é um mar de água e o meu pequenino aparelho parece que caiu numa poça.
E lá volto eu aos meus propósitos e rotinas de cremes para isto e para aquilo.
Então sim, agarro no meu pequeno e faço a chamada tão desejada pela minha querida progenitora.
Oiço insultos ruidosos porque não é forma de se atender o telefone daquela maneira à própria mãe e porque etc e tal e porque se estou no banho só tenho é que atender e mais nada e estivesse eu a fazer o pino só tinha de atender. Depois da chatice causada pergunto se morreu alguém.
"Não, está tudo bem".
"Então adeus, vai lá ver as novelas e até amanhã".

quinta-feira, 14 de maio de 2009

O meu primeiro cabelo branco

Hoje, com 31 anos de idade, testemunho quase em directo o aparecimento do meu primeiro cabelo branco.
Nunca julguei que algo tão aparentemente insignificante, pudesse provocar um turbilhão de sentimentos tão confusos.
Nem sei bem como me sinto.
Orgulho ou pavor...não os consigo distinguir.
Sinto saudades da adolescência.

Confesso que casar, ter filhos e visitar os sogros em fins de semana alternados com passeios pelo centro comercial de manhã á noite, não é exactamente o que tinha planeado.
Quero continuar a ser...


hmm...

Isto não é um cabelo branco.
É uma linha de coser que prendia o botão da minha camisa de trabalho.
Como raio veio parar á minha cabeça?
Devo ter vindo no metro com esta linha no cabelo.
Por isso é que vinha toda a gente a olhar para mim...
Falso alarme então.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Insanidade



"O amor é uma espécie de molho no cérebro"

Helen Fisher (catedrática de Antropologia na universidade Rutgers)

domingo, 10 de maio de 2009

Conspirações à parte

Parece que agora decidi colocar um video por semana, aos domingos...
E resolvi inaugurar esta façanha com uma banda que conheci acidentalmente na newsletter do blitz.

Beirut - Elephant Gun

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Lisboa Viva



Viva Lisboa!

Viva a cidade que tem quase 500 000 habitantes.

Viva a capital de Portugal que tem o Bairro Alto e tem Alfama, a Estrela, Belém e os pastéis de nata.
Tem a célebre cervejaria Portvgália e o "ex.líbris" alimentar da capital: o Bife à Café.
Tem o Benfica e tem a tasca do Zé na Brandoa ao fundo da rua 20...
Viva a terra que tem os maiores antros de consumo compulsivo da península ibérica, e agora diz que este novo até é o maior da Europa.
E também tem o "Lisboa Viva ", título de transporte válido para o metro e outros transportes públicos que nos permitem circular por toda a enorme cidade, a maior de Portugal.
Sou lisboeta e gosto.
Ando muito de metro e também gosto.
Só não gosto é daquelas pessoas, que quando estão a passar o cartão "Lisboa Viva" no sensor que activa a abertura das cancelas de fibra plástica, que por sua vez nos permite a sua entrada ou saída, começam a esfregar aquela porcaria naquela porra!
Ou seja...o cartão no sensor.
Em primeiro lugar, o sensor que abre as cancelas de fibra plástica é um sensor que abre cancelas de fibra plástica.
Não é uma frigideira...
Da mesma maneira que o cartão também não é um esfregão.
E aquilo é so encostar. Não custa nada!
É só tirar o passe da carteira e enconstá-lo ao sensor!
E aqueles que não tiram sequer o passe da carteira? Pior ainda!!!
Aquelas mulheres que nem sequer os tiram da mala!!!
As malas das mulheres são autênticos labirintos de ir e nunca mais voltar. Mas elas acham por bem estacionar a mala no sensor á espera, juntamente com todas as outras pessoas atrás delas, que as cancelas abram.
Sinto que mais dia menos dia, vou chegar atrasado ao trabalho, porque quando for a sair na estação, apanho alguém que se vai recusar a tirar o cartão "Lisboa Viva" da sua "trolley".

quinta-feira, 7 de maio de 2009

E a culpa é da criancinha

Centro Comercial Colombo. Área da restauração. Esplanada, por volta das 16 horas.
Encontrava-me sentado a comer, juntamente com os meus colegas, onde, numa mesa vizinha, se encontravam uma mãe (e que senhora mãe!!) com a sua filhota de 3 ou 4 anitos, a praticarem o acto do bem alimentar da boa paparoca plástica.
Mãe e filha, ao terminarem a refeição, levantam os tabuleiros com a finalidade de os colocarem nos carros da loiça destinados para o efeito, onde posteriormente as senhoras da recolha da loiça os encaminham para as copas das respectivas "casas de repasto artificial".
Nisto a pobre coitada da pequenita, deixa cair o tabuleiro que continha um prato com os restos de comida e uma embalagem de sumo para o chão, tendo ainda atingido uma cadeira.
Logo de imediato aparece uma senhora que recolhe a loiça, para limpar o local do ocorrido infortúnio.
Procedimento normal.
O que não achei muito normal foi a senhora dona mãe da pequenita (e que senhora dona mãe da pequenita!!!) prontificar-se logo a acusar a infantil criatura de ter cometido a fatalidade de ter deixado cair o tabuleiro da comida.
Quer dizer, apesar de muito bonita e detentora de um corpo de 30 e poucos anos maravilhosamente cuidado, o raio da mulher, em vez de assumir a responsabilidade não!
Desmarcou-se logo para a miudita que nessa altura já se encontrava com um ar aterrorizado, vendo na senhora da loiça alguém como o papão ou qualquer outro desses bichos maus da marvel ou assim.
"Ah a minha filha é que deixou cair o tabuleiro. Peço imensa desculpa".

Crianças de Portugal.
Se forem ao colombo ou a qualquer outro antro de consumo compulsivo, e deixarem cair o vosso tabuleiro da papinha, não se deixem acusar pelas vossas mães, por muito "gajas boas" que sejam.
Elas são os verdadeiros papões!

As notas não se medem aos palmos

Sei que é complicado, em todos os tipos de comércio que englobam uma caixa registadora no seu funcionamento normal, gerir o dinheiro, de forma a ter sempre troco para dar aos clientes.
Considero assim, uma obrigação moral e civilizada da parte das pessoas (clientes), facilitarem com as moedinhas que possuem na carteira, visto que as caixas registadoras não têm propriamente uma nascente de moedas no seu espaço.
Quanto a isso, posso dizer que cumpro a minha parte sempre que possível.
Mas existe uma pergunta que me intriga sempre...
No outro dia fui comprar um maço de tabaco e não tinha comigo uma única moeda, o que me obrigou a recorrer a uma caixa multibanco para levantar dinheiro.
Caixa essa que só tinha notas de 20 euros disponiveis e foi essa a quantia que levantei.
Quando chego ao balcão da papelaria e peço o maço de cigarros, apresento de imediato a nota de 20 euros que levantei, e a senhora faz-me então a tal pergunta que tanto me intriga:
"Não tem mais pequeno?"
Mais pequeno como assim?
Podia jurar que as notas de 20 eram todas do mesmo tamanho.

Porque sim

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Amor de Mãe

Retorno a minha casa e mais uma vez vejo que não tirei o palhaço de porcelana mórbido que a minha mãe comprou. Aquele boneco assusta-me, tal como outras duas bonecas de porcelana, com uma ar angelical a atirar para o terror dos anos 70.
Ligo a televisão e faço o jantar.
Como sempre o telemóvel toca à mesma hora.
"O que estás a fazer?"- pergunta a minha mãe.
"Estou a jantar."- respondo.
"O quê?"- questiona.
"Comida" - finalizo.
"Oh! Sabes uma coisa? Comprei uma máquina de café."
"Foi? hum...e qual é a marca?"
"É aquela que vem com vários cafés, de várias cores."
" TU COMPRASTE UMA NESPRESSO??"
"Acho que é isso. É má?"
"Qual quê! É a melhor máquina de café que existe!"
"Pronto, ainda bem que gostas."
"Vais dar-me a máquina, mãe?"
" Achas? Não...."
"Porquê? Tu nem sabes mexer numa frigideira eléctrica, quanto mais numa máquina de café!"
"Não sei, mas aprendo. E sempre que vieres cá a casa já tens cafézinho."
"Obrigada. És uma querida... Por isso digo-te para a próxima, quando te lembrares de me oferecer coisas para a minha casa, não me dês bonecos de porcelana porque eu não gosto, mas sim uma máquina de café como a tua."
Despedidas do costume e fico a pensar na máquina que ela tem e que não me quer dar e olho para os bonecos.
Meto-os num saco e escondo-os no roupeiro. Deito-me e fico a ver o CSI.
Nisto, a minha mãe manda-me uma mensagem: "Já sei trabalhar com a máquina, mas o café vem frio" e penso para comigo "não te vou dizer qual é o botão para aqueceres a água!" mas uma voz grita na minha cabeça "Shame on you!"... Sim, sim, shame on me! I don´t care! I just want a Nespresso machine.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Mais olhos do que barriga

Alguém é capaz de me dizer quantos olhos têm na cara?
E quantas barrigas têm no vosso corpo?
Caso respondam (2) á primeira questão e (1) á segunda, então façam o favor de me explicar o porquê da expressão "mais olhos do que barriga"? Ainda por cima, "olhos" aparece sempre no plural e "barriga" no singular.
Não me venham com a conversa de que também, temos a barriga das pernas, porque por essa ordem de ideias também temos o olho do cú! Os olhos continuam em maior número!
É que ainda por cima costumam dizer "tu deves ter mais olhos do que barriga".
"Deves"...???
Qual é a dúvida?
Isto revolta-me.
O país está em crise, o benfica não ganha, e as pessoas ainda questionam, em pleno século XXI o facto de termos realmente mais olhos do que barriga, e o governo nada faz para corrigir estas e muitas outras situações.

domingo, 3 de maio de 2009

Casamento do ano




Finalmente um dos mais famosos deuses da nossa praça, Baco, o Deus grego do vinho, vai deixar a sua vida de Playboy descontrolado e pediu em casamento, ao fim de duas horas de namoro, a Deusa do leite, sua alteza, Baca!
A cerimónia vai ser oferecida pelos pais do noivo, Júpiter e Sêmele. Os pais da noiva, Mimosa e Agros, estão radiantes com a decisão da filha.
O enlace será consumado no próximo dia 30 deste mês no estábulo da Ti Jacinta e são esperados mais de 300 convidados, entre os quais Zeus e sua esposa, o Capitão Iglo, e, como não podia deixar de ser, o Fatia de Pão-de-Ló, melhor amigo de Baco há muitos anos!

Conversas automobilistas

Estamos no carro do Tiago. Eu e o Jorge estamos a servir de DJ's. Acabo de pôr, em alto e bom som "Fuck my little brains" dos The Kills e nisto o Jorge diz "isto é bom" e o Tiago manda um daqueles arrotos associados à cerveja que está a beber.
Falam sobre os cortes que inevitavelmente fazem quando desfazem a barba. O Tiago não consegue fazer a barba decentemente; fica sempre algum pintelho mal aparado. O Jorge, por sua vez, queixa-se dos constantes cortes que faz porque a sua cara é mais osso que pele. E ora, cá estou eu, gaja, a tentar perceber o que me difere destes dois seres humanos que me acompanham nesta noite em que me sinto uma granda merda mas que graças a eles, o mal que eu possa sentir é inferior a qualquer corte feito por uma gillette.
O Ipod grita "This is another love song" e pensamos que se foda as love songs e o próprio love, porque na verdade "We don't talk about love, we only want to get drunk, and we are not allowed to spend, as we are told that this is the end".

sábado, 2 de maio de 2009

Nós (elas) VS Eles (homens)

É verdade que, para alguns homens, ter atitudes honestas está longe de ser um hábito. Da mesma forma, existem mulheres superduronas, embora estejamos biologicamente mais aptas do que eles a agir com sensibilidade, por conta de diferenças na estrutura dos cérebros feminino e masculino. Ou seja: a biologia pode até influenciar no comportamento, mas não o determina. O que talvez pese mais na tendência de certos homens a agir como trogloditas seja a falta de prática em lidar com os próprios sentimentos. Diz o psiquiatra Luiz Cuschnir, autor de "Masculino: Como Ele se Vê " e "Homens e Suas Máscaras", e passo a citar: "A maior queixa dos homens que já se arriscaram a fazer um auto questionamento é que o pai só lhes ensinou a lidar com assuntos concretos: sexo, desporto, profissão, política. Conversar sobre emoções, ou demonstrá-las, sempre foi considerado pela maioria um sinal de fraqueza. Acontece que ninguém deixa de sofrer por decreto: mesmo que por dentro esteja aos pedaços, o sujeito finge que está inteiro, porque foi isso que aprendeu desde a infância". Esse argumento talvez, e já para não afirmar viavemente com tamanha certeza, não serve de atenuante para os casos amorosos em que ele decidem saltar. A maioria das mulheres também faz cobranças: se o homem em que estão interessadas diz não a uma foda ou demora a levá-las para a cama, elas estranham. O que, para muitos deles, é outra forma de pressão. Além disso, há o factor biológico: o corpo deles tem dez vezes mais testosterona do que o nosso. E ela manifesta-se, em ondas, várias vezes por dia. Daí os nossos "obcecados" conseguirem fazer sexo a qualquer hora e em qualquer lugar. Sem contar que o centro regulador do impulso sexual fica no hipotálamo, que é maior nos homens - 37% deles pensam no assunto a cada 30 minutos, contra 11% das mulheres. Outra constatação: para irmos para a cama com um homem, precisamos de um motivo; eles só precisam de um lugar. A mulher quer muito sexo com o homem que ama. O homem quer muito sexo. O homem estimula-se com o que vê. A mulher, com o que ouve. O homem precisa fazer sexo antes de entrar em sintonia com os seus sentimentos. A mulher precisa de sentimento antes de fazer sexo. É mais ou menos como na canção da Rita Lee: "Nosso amor é bossa-nova, o sexo deles é Carnaval..."
No entanto, não temos motivo algum para aceitar impassível as desonestas desculpas esfarrapadas, mesmo que estejamos a morrer de amores por ele.
Portanto, vejamos quais são as mais frequentes e, justamente por isso, menos criativas.

"A minha mãe está doente"
Como contestar contra um argumento tão forte? Eles adoram arrumar uma tragédia na família para cancelar o encontro em cima da hora.

"Agora no momento não me quero envolver"
O homem posa de frágil e diz sentir medo de mergulhar numa nova paixão, porque têm algum tipo de trauma do relacionamento anterior. Ou isso, ou simplesmente não quer nada connosco.

"Vou viajar com urgência"
Geralmente, ele associa esta mentira deslavada a uma urgência no trabalho. Quando ouvirem esta desculpa, traduzam: vou dar de sola alguns dias.

"Estou muito cansado hoje"
Para tentar ser mais convincente, ele lista uma série de problemas ocorridos durante o exaustivo dia. Portanto, o sono o impedirá de encontrá-la. Saibam que esta é a estratégia usada quando ele está louquinho para ir sair sem nós, e como tal ir ao ataque.

"Vou jogar futebol com os amigos"
Uma vez por semana, tudo bem. Mas quando os dias começam a aumentar para dois, três, quatro... É hora ficar de ficar alerta! O namorado pode estar a querer somente ficar um pouco sozinho, mas há também a possibilidade de ele ir à caça com os amigos.

"Estou só a olhar para o movimento"
Na noite, no centro comercial ou no restaurante ele não resiste e olha para aquele mulherão que acabou de passar. Nós, irritadas com a situação, perguntamos para onde ele está olhar. E então: "Nada, só estou a ver o movimento".

"Tens que me aceitar tal como sou"
Tamanho argumento é infalível quando o homem quer terminar a relação e não sabe como. Então, ele lança a mão do radicalismo. Como nós, certamente, não nos vamos s submeter a todas as vontades e manias dele, esta é uma boa saída para acabar com tudo. Além desta, há outra táctica para ele nos deixar repentinamente: diz que nós somos "excelentes, maravilhosas, giras, com cabeça" e por isso se sente inferiorizado ao nosso lado.

Resumindo: (alguns) homens são cobardes e uns filhos da puta.

Juntando estes dois últimos posts (tirando este)...

As mulheres têm o dia da mãe e o dia da mulher mas os homens só têm o dia do pai.
Então e os homens que não têm filhos?
Temos obrigatóriamente que ter filhos só para ter um dia dedicado a nós?
Já sei...
Vamos trabalhar e não vai dar nada sobre isso na televisão.

1º de Maio - Dia do Trabalhador?


Faz de conta de estamos no natal.

Já perto da meia noite, aguardamos todos em família, pela hora do abrir das prendas.

E enquanto essa hora não chega, lá vamos queimando tempo a conversar, ou a ver televisão, a jogar ao uno, a beber um bom vinho do porto...ou... vinho do porto, etc.

E geralmente, enquanto vamos dando uma vista de olhos pela televisão, assistimos a programas ou filmes do tipo: Sozinho em casa 3025, (aliás, o harry potter agora substituiu o sozinho em casa por umas boas decadas como filme de natal), programas de exibição conveniente de solidariedade com lucros próprios, como aquelas pessoas famosas que se preocupam com os desgraçadinhos á frente da televisão, e até mesmo os pobres coitados que têm que ir trabalhar na noite de consoada. Tais como pessoal do inem, policias, militares noutros países etc. E assim estarem privados da companhia da familia ou whatever.

Mas hoje que é dia 1 de Maio, dia do trabalhador, não me lembro de ter visto nada na televisão sobre os pobres miseráveis que hoje trabalharam.

Se calhar porque estava a trabalhar.

Ou então não deu mesmo nada na televisão sobre isso.

E já agora...

Se é dia do trabalhador, porque é que quase ninguém trabalha?

Tirando eu e mais outros tantos?